Para que servem as blanquetas para impressão offset e como elas surgiram?

A Böttcher é o maior convertedor de blanquetas do mundo. Por isso, possui uma divisão específica para elas dentro de algumas fábricas, como a de Jundiaí. Ela funciona com alto controle de qualidade e nível de produção que atende todas as normas internacionais, seguindo a matriz da Alemanha. 

As blanquetas Böttcher são produtos usados como intermediários nos processos de impressão. É como uma manta, constituída de uma base de tecido (tela) com a camada superficial de borracha, que tem como função ajudar a absorver as imperfeições do substrato (suporte).

Funciona assim: além de transferir a imagem da forma (chapa) para o substrato, a blanqueta ajuda a regular a quantidade correta de tinta, compensar quaisquer irregularidades e ainda absorver possíveis impactos. 

Elas também podem ser fornecidas com barras metálicas (aço ou alumínio), conforme especificado pela máquina impressora.

Como o surgimento das blanquetas influenciaram a qualidade de impressão:

As blanquetas convencionais para impressão offset foram usadas, pela primeira vez, para impressão metalgráfica, há mais de 100 anos. Este marco na história é bastante relevante para o mercado de impressão offset e segmento gráfico, porque as blanquetas ocupam papel importante e fundamental neste processo.

A primeira patente para o método de impressão indireta surgiu em 1875, mas, somente no início do século passado, por volta de 1909, que Ira Washington Rubbel desenvolveu um processo envolvendo o cilindro da máquina de impressão com um determinado tipo de borracha. 

Antes disso, eram utilizados certos tipos de couros para a transferência da imagem da forma para o substrato, mas claro que a qualidade de reprodução era bastante baixa. Assim como a falta de estrutura técnica para uma alta produção.

Na época, era usada borracha natural, que recebia a imagem da forma e a transferia para o substrato, melhorando a qualidade de impressão. Esse processo, apesar de ter passado por melhorias quanto a borracha usada, continua sendo utilizado até os dias de hoje.

A produção de blanquetas em larga escala começou somente em 1915, nos Estados Unidos, pela Vulcan, para uso nas impressões em papel. A primeira blanqueta compressiva foi desenvolvida, portanto, pela Vulcan (Trelleborg, nos dias de hoje) em meados dos anos 60, chamada de Vulcan 714. 

O desenvolvimento da compressibilidade de blanquetas para impressão pode ser considerada a maior revolução na tecnologia de blanquetas para impressão. E é,  certamente, um dos principais fatores para alavancagem do desenvolvimento do processo de impressão offset, como um todo.

Processo de conversão e avaliação de qualidade Böttcher 

Na Böttcher, o processo de conversão das blanquetas, é muito bem estruturado e há um procedimento de avaliação da produção e controle de qualidade rígidos. A cada lote é testado a eficiência do embarramento com teste de tração. 

A resistência mínima deve ser de 5 vezes mais do que a necessidade do cliente. Isso garante a alta qualidade Böttcher no Brasil e no mercado internacional.

Além de toda essa preocupação com o processo de qualidade, a Böttcher ainda conta com um seguro. Ele garante que se, comprovadamente, algum dos seus produtos ou serviços, ocasionarem danos ao equipamento de um cliente, a cobertura poderá ser acionada.

Quer aproveitar pra saber sobre a importância dos rolos nos processos de impressão offset? 

Leia o artigo no nosso blog: http://bit.ly/2RDfYne

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados